Promover a felicidade no trabalho é um desafio constante para os gestores de qualquer empresa que precisa inovar periodicamente em estratégias que garantam produtividade e qualidade no ambiente de trabalho.

Uma das formas de medir a felicidade no trabalho é por meio do NPS – Net Promoter Score. Essa métrica avalia o nível de comprometimento do funcionário com a empresa.

O resultado do NPS servirá como um dos diagnósticos de relacionamento interno e poderá nortear as futuras implantações em prol de melhorias nos serviços ou na inserção de novos privilégios aos colaboradores.

O investimento em relações saudáveis e felizes no ambiente corporativo promove mudanças organizacionais relevantes e desperta o desejo de indivíduos — potenciais talentos — que ainda não fazem parte do quadro de funcionários da instituição.

Se você ainda não entendeu os resultados de uma gestão de benefícios eficiente para manter a felicidade no trabalho, acompanhe nosso post de hoje!

Realização profissional dos colaboradores

Uma pessoa feliz e satisfeita estará mais produtiva no trabalho. Isso porque a felicidade é uma condição fisiológica que libera neurotransmissores benéficos no equilíbrio ideal. A felicidade pode ser difícil de descrever, entretanto suas consequências são claras e imediatas.

A felicidade dentro do ambiente de trabalho deve ser espontânea e sem iniciativas forçadas, pois nessas condições os efeitos podem ser ansiedade e dificuldade de agradar todos os funcionários.

Além disso, sentir-se feliz no trabalho é consequência da realização profissional enquanto colaborador. Nesse sentido, o indivíduo estará sempre buscando atividades laborais prazerosas e desafiadoras.

Melhoria no cuidado à saúde

Uma empresa que preza pelos seus colaboradores também deve cuidar da saúde desses indivíduos. Por isso, avaliar a implantação de um plano de saúde institucional poderá satisfazer muito os funcionários.

Nesse sentido, um plano de saúde corporativo é interessante, pois poderá prever problemas clínicos dos pacientes e antecipar as medidas terapêuticas de forma a diminuir as complicações em longo prazo.

Essa estratégia conquista os funcionários, que entendem sua valorização perante a instituição, diminui os riscos associados ao estresse e outros problemas emocionais, garantindo um melhor ambiente de trabalho.

Estímulo à autonomia

Colaboradores felizes tendem a ser mais proativos, comprometidos e criativos no ambiente de trabalho. Desse modo, as propostas de trabalho serão mais eficientes e existirá maior coesão entre os colegas com o mesmo sentimento.

Ademais, percebe-se maior autonomia dos indivíduos, que se mostram mais responsáveis com as atividades laborais. A empresa que confia em seus funcionários dará maior liberdade para execução de trabalhos inovadores.

Além disso, serão disseminados outros valores, como respeito, confiabilidade, espírito de equipe e outros comportamentos positivos que favorecem uma cultura organizacional saudável.

Redução de custos gerenciais

Manter a felicidade no trabalho é uma ferramenta importante para empresas de qualquer porte. As consequências se refletem na redução de custos operacionais e melhoria da qualidade de vida de todos os envolvidos.

Sobre as consequências, primeiramente nota-se um menor absenteísmo e a diminuição da rotatividade de funcionários. Isso porque indivíduos mais felizes e satisfeitos adoecem menos ou não recorrem a atestados médicos para faltar ao trabalho.

Além disso, pessoas satisfeitas com suas atividades profissionais dificilmente procuram novas oportunidades de trabalho pelo sentimento de ser possível alcançar promoções e gratificações como resultado de seus esforços.

Repercussão positiva da empresa

Funcionários felizes incorporam os objetivos da empresa e divulgam amplamente os benefícios que ela oferece. Com isso, muitos vislumbram a oportunidade de trabalhar em empresas referência nesse aspecto.

Dessa forma, as vantagens de se trabalhar em uma organização assim serão perpetuadas de tal maneira que ela será reconhecida tanto em sua área profissional quanto em suas práticas de gestão, gerando uma repercussão positiva.

Assim, o modelo de benefícios e valorização do funcionário será reconhecido consideravelmente e servirá como objeto de benchmarking para as instituições que não alcançaram ainda uma cultura organizacional desejável.

Diminuição dos sentimentos negativos

Os sentimentos negativos que se proliferam desordenadamente em um ambiente de trabalho são provenientes de informações mal interpretadas e outros sentimentos nocivos dos funcionários. Exemplo disso são as fofocas, que minam qualquer setor da empresa.

Uma das formas de eliminar esses sentimentos negativos é fornecer informações objetivas e divulgá-las nos principais canais de comunicação da empresa. Também é imprescindível dar um retorno sobre o diagnóstico das relações humanas avaliadas.

Essas estratégias eliminam as comunicações mal-entendidas e diminuem o desgaste das relações pessoais, condição essencial para manter funcionários felizes e satisfeitos com sua contribuição para o crescimento da empresa.

Maior coesão da equipe

Uma equipe coesa é aquela que trabalha por resultados satisfatórios e diferenciados. A técnica para se alcançar o sucesso nessa empreitada depende da motivação dos colaboradores.

Sendo assim, trabalhadores mais felizes desenvolvem ideias e projetos de forma integrada com todos os membros da equipe. A elaboração de projetos é algo desafiador, porém gratificante e todos colaboram nessa realização.

A equipe feliz se compromete mutuamente, gerando resultados eficientes e inovadores que agradam tanto aos gestores quanto ao consumidor final. Nessa atitude, encoraja-se os funcionários para as próximas atividades.

Confiabilidade dos funcionários

Uma empresa que mantém gratificações de acordo com os princípios estabelecidos pelos gestores transmitirá confiabilidade e transparência em todas suas atividades.

Além disso, é preciso considerar privilégios que garantam funcionários felizes e seguros em seu ambiente de trabalho. Exemplo disso são as opções de fornecer horários flexíveis para gestantes ou mulheres que estejam amamentando.

É também interessante liberar funcionários para participação em eventos escolares ou permitir alguns dias da semana para trabalhar em regime home office. Tudo isso deve ser pensado para melhorar as relações de trabalho.

Conquistar a felicidade no trabalho é algo bastante complexo. Para tal, é necessária a implantação de benefícios condizentes com a demanda dos funcionários e que devem ser adaptados periodicamente. Os resultados podem ser percebidos na redução de custos trabalhistas, maior envolvimento dos funcionários, diminuição dos sentimentos negativos e repercussão positiva da empresa dentro e fora do mercado de trabalho.

E você, gestor, o que tem feito nesse sentido? Está atualizando seus conhecimentos? Então, não deixe de ler nosso artigo Benefícios flexíveis podem ser fator de motivação para os funcionários.

%d blogueiros gostam disto: