Escolha uma Página

A idade é um dos mais importantes fatores de risco para o câncer de mama (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos), porém não é o único! Já o câncer de mama de caráter genético/hereditário corresponde a apenas 5% a 10% do total de casos da doença. Homens também podem ter câncer de mama, mas somente 1% do total de casos é diagnosticado em homens. Conheça outros fatores que aumentam o risco da doença:

Fatores ambientais e comportamentais:

– Obesidade e sobrepeso após a menopausa;

– Sedentarismo (não fazer exercícios);

– Consumo de bebida alcoólica;

– Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X).

Fatores da história reprodutiva e hormonal

– Primeira menstruação antes de 12 anos;

– Não ter tido filhos;

– Primeira gravidez após os 30 anos;

– Não ter amamentado;

– Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos;

– Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);

– Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

Fatores genéticos e hereditários*

– História familiar de câncer de ovário;

– Casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos;

– História familiar de câncer de mama em homens;

– Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

*A mulher que possui um ou mais desses fatores genéticos/ hereditários é considerada com risco elevado para desenvolver câncer de mama.

Atenção: a presença de um ou mais desses fatores de risco não significa que a mulher necessariamente terá a doença. Por isso, fique atenta aos sintomas e não falte à consulta anual com seu ginecologista.

Qual é a importância do diagnóstico precoce?

A detecção precoce é um dos métodos mais eficientes utilizados para o diagnóstico do câncer. No caso do câncer de mama sabe-se que 95% dos casos diagnosticados no início têm possibilidade de cura.

Cerca de 90% dos tumores são detectados pela própria paciente. Ao incluir esse procedimento simples na sua rotina, a mulher estabelece um maior vínculo de cuidado com o próprio corpo e, assim, fica mais fácil, inclusive, reconhecer a importância dos exames e consultas (como a mamografia) com profissionais de saúde.

O autoexame de mama também permite a detecção de alterações em estágio inicial e realizar diagnósticos precoces, que facilitam o tratamento e aumentam as chances de cura.

Baixe nosso guia para fazer o autoexame.

O autoexame de mama deve ser realizado mensalmente, entre o sétimo e oitavo dias do ciclo menstrual (existem aplicativos para celular que ajudam a reconhecer o dia facilmente) ou em uma data fixa para mulheres que não menstruam.

Nosso infográfico foi preparado para facilitar o entendimento sobre como funciona o auto-exame, esperamos que nossas informações e dicas para realizar o autoexame de mama sejam úteis para você. Que tal compartilhar esse artigo em suas redes sociais, usando os botões à esquerda? Faça o conhecimento circular!

Ah! E nosso infográfico possui uma surpresa. Aproveite o Outubro Rosa e cuide-se! 😉

Baixe agora nosso infográfico gratuito e divulgue em sua empresa!